Retinose pigmentar

Retinose pigmentar (RP) é a distrofia da retina mais comum. Distrofia retiniana refere-se a um grupo de doenças genéticas que causam alterações da retina, região do fundo do olho humano. Pacientes com retinose apresentam um declínio gradual em sua visão, pela perda progressiva das células da retina.

Imagem de uma visão normal | Imagem vista por portador de retinose pigmentar onde a visão periférica é prejudicada, restando saudável somente uma pequena parte da visão central

Imagem de uma visão normal  |  Imagem vista por portador de retinose pigmentar

 

À esquerda a retina de um paciente com retinose pigmentar e à direita uma retina normal.

À esquerda a retina de um paciente com retinose pigmentar e à direita uma retina normal.

Quem pode ter Retinose Pigmentar?

A retinose é tipicamente diagnosticada em adolescentes e adultos jovens. Existem várias alterações genéticas capazes de gerar a retinose, sendo que a maioria é esporádica, ou seja, não hereditária. Entretanto, é fundamental o exame da retina de filhos e pais, pois há tipos de retinose com herança familiar.

Quais são os sintomas?

Inicialmente há diminuição da visão periférica e maior dificuldade de enxergar em ambientes pouco iluminados. Com a progressão da doença, a parte central da visão também pode ser afetada. Importante lembrar que existem variações na gravidade e no nível de sequela visual na retinose, desde uma piora leve da visão até a cegueira.

Como é feito o diagnóstico da retinose pigmentar?

O exame de mapeamento de retina é o mais importante para o diagnóstico. Entretanto, algumas vezes o médico pode solicitar alguns exames como eletroretinografia, angiografia retiniana com contraste venoso e tomografia retiniana (OCT).

Como tratar a retinose pigmentar?

Existem muitas pesquisas sobre as terapias genéticas em ensaios pré-clínicos, porém esta tecnologia ainda não está disponível para o mercado.

Apesar disso, algumas complicações relacionadas à retinose como catarata e edema de mácula são passíveis de tratamento, logo o exame de rotina com retinólogo é fundamental para a detecção destas alterações.